São Paulo, 16 de Fevereiro de 2019.

"Dinheiro é uma coisa muito útil de se ter. Na verdade, quanto mais você ganha, menos parece que você toca." (Charlie Watts, Rolling Stones)
lll Agenda de Shows
lll Agenda de Shows Cover
lll Álbum de Fotos
lll Baladas Rock 'n Roll
lll Banda da Semana
lll Bandas
lll Bandas Independentes
lll Casas de Shows
lll Colaboradores
lll Colunas & Artigos
lll Direto da Redação
lll Discografia
lll Entrevistas
lll Fale Conosco
lll Lançamentos
lll Letras de músicas
lll Livros
lll MEU ROCK IN SAMPA
lll Meus Dados
lll Promoções
lll Rádios Rock de SP
lll Reviews CD's
lll Reviews Shows




ASSINE ROCK IN SAMPA




lll Login..............

Email:

Senha:



Ache e compre seu CD aqui:



Bandas / Artistas





Titãs , por Marcelo Pinto
Apesar de ser considerada uma das maiores bandas de Rock do país, o Titãs nem sempre seguiu somente esse estilo, tendo flertado ao longo de quase 20 anos de carreira com o Reggae, Pop e até eletrônico.

Começaram a tocar em 1982, sob a alcunha de Titãs do Iê-Iê-Iê, com Nando Reis, Arnaldo Antunes, Sérgio Britto, Branco Mello, Paulo Miklos, Toni Belloto, Marcelo Fromer, Ciro Pessoa e André Jung.

Passaram os dois anos seguintes se apresentando em pequenos lugares, conquistando os primeiros fãs e a atenção de algumas gravadoras. Após assinarem com a WEA, lançam o debut "Titãs". Já nesse álbum de estréia, podemos perceber uma característica interessante na banda e que durou por muito tempo: as composições não tem um direcionamento em conjunto e cada uma explora um estilo, uma tendência. No caso de "Titãs", a pop-brega (!) "Sonífera Ilha" foi o destaque. Ciro Pessoa já não estava mais no grupo e Charles Gavin, ex-baterista do Ira!, assumiu as baquetas.

O segundo trabalho "Televisão", foi uma continuação da mistura começada no ano anterior e apenas os manteve na mídia. Dessa vez, quem abandonou o barco foi André Jung. Em 1986, lançaram o que muitos consideram o melhor disco de toda a carreira: "Cabeça Dinossauro". Foi nessa época que eles ganharam a fama de "rockeiros", pois o álbum era realmente pesado e trazia letras críticas e fortes.

Várias faixas viraram hit como "Cabeça Dinossauro" , "Bichos Escrotos", "Polícia", "AA UU", entre outras. "Homem Primata" entrou na programação das rádios tornando o Titãs definitivamente conhecido em todo Brasil. Voltam à normalidade com "Jesus Não Tem Dentes No País Dos Banguelas", de 1987.

No ano seguinte, gravam o primeiro ao vivo "Go Back", no festival Montreux Desse, na Suíça. Em 1989, "Õ Blésq Blom" fez grande sucesso com a crítica, e a faixa "O Pulso" tocava incessantemente em todas as rádios.

"Tudo Ao Mesmo Tempo Agora", de 1991, foi um marco na carreira dos Titãs. Produzido pelos próprios integrantes, o disco era carregado de temas pesados, palavrões e muito barulho. Resultado: não foi bem compreendido por ninguém (provavelmente nem por eles mesmos). Para piorar, Arnaldo Antunes, um dos mais carismáticos, deixa seus amigos e parte em carreira solo.

Tentaram entrar na explosão do Grunge em 1993, com "Titanomaquia". Jack Endino, que já trabalhou com o Nirvana, produziu esse álbum que dividiu opiniões. Após a turnê, o grupo se separa e cada um lança seus projetos pessoais. Muitos acharam que tinha sido o fim do Titãs. Sérgio Britto e Branco Mello montaram o Kleiderman, Nando Reis e Paulo Miklos soltam seus solos e Tony Belloto publicou o livro "Bellini e o Esfinge".

Durante esses anos de silêncio, a gravadora lançou uma coletânea com os maiores hits divididos em: "Titãs 84 - 94 Um" e "Titãs 84 - 94 Dois". Somente em 1995, o inédito "Domingo" foi lançado. Novamente produzido por Endino, esse foi o mais pop dos álbuns e, é óbvio, muito bem sucedido. Porém, estava claro que os Titãs haviam perdido muito da criatividade, e a partir daí, preocuparam-se apenas em manter-se na mídia.

Quando se tem esse objetivo, nada melhor do que um Acústico MTV. Foi o que eles fizeram em 1997. As versões com orquestra e violão venderam mais de 1 milhão de cópias. No ano seguinte, "Volume II", uma tentativa de continuar o Acústico, não deu certo e deixou os fãs desconfiados sobre as reais intenções da banda.

Todos perderam de vez as esperanças em 1999, quando "As Dez Mais", uma compilação de covers de Roberto Carlos, Raul Seixas entre outros, foi lançada. A faixa "Pelados em Santos", originalmente dos Mamonas Assassinas, ganhou um vídeo clip igualmente pífio, despertando raiva em muitos fãs antigos que se sentiram traídos.

Os Titãs sempre foram uma banda versátil e desde o início nunca se prenderam a nenhum rótulo, mas antes eram sinceros e criativos, não importando se tocavam Pop, Rock ou qualquer outra coisa. A tristeza de todos aumentou no dia 13 de Junho de 2001, quando o guitarrista Marcelo Fromer foi atropelado por uma moto, enquanto fazia cooper em São Paulo. Não resistiu aos ferimentos.

Apesar da trágica notícia, e com um integrante a menos, os Titãs entraram em estúdio no mesmo ano e gravaram o inédito "A Melhor Banda de Todos os Tempos da Última Semana", novamente com produção de Jack Endino, seguindo a mesma tendência dos anteriores.

No final de 2002 o baixista Nando Reis anuncia que está deixando o grupo e passa a se dedicar em tempo integral ao seu trabalho solo.

Fonte: kissfm.com.br

Envie atualizações sobre Titãs :
Seu Nome:
Seu Email:
Informação:

Melhor visualizado com Mozilla Firefox > 1.0 ou I.E > 6.0 em 800x600.
RockInSampa.com.br - Todos os direitos reservados. A RockInSampa é uma publicação da Editora e Produtora Virtual.